Após fala de Macron sobre Amazônia, Bolsonaro recusa R$ 83 milhões do G-7 - Conectado São Paulo | Famosos, Esportes, Cultura, Infográficos

Últimas Notícias

Ads

27/08/2019

Após fala de Macron sobre Amazônia, Bolsonaro recusa R$ 83 milhões do G-7

Brasil-vai-rejeitar-ajuda-para-a-Amazônia-oferecida-pelo-G7

O Palácio do Planalto informou na noite desta segunda-feira, 26, que rejeitará a ajuda de US$ 20 milhões, equivalente a R$ 83 milhões, prometida nesta segunda pelo G-7, o grupo de países mais ricos do mundo, para auxiliar no combate a incêndios na Amazônia.

A decisão foi tomada após o presidente da França, Emmanuel Macron, dizer que não descarta a possibilidade de conferir um status internacional à floresta, caso líderes da região tomem decisões prejudiciais ao planeta.

Interlocutores do presidente Jair Bolsonaro afirmam que qualquer anúncio de apoio feito sem diálogo direto com o Brasil será rejeitado. “Acreditamos que o assunto deve ser encapsulado como uma questão sul-americana, dos países amazônicos, e não como um tema global”, disse um aliado do presidente. A intenção do Planalto é recusar a ajuda capitaneada por Macron, restringindo a cooperação a países da região amazônica e aliados do presidente, como Israel e Estados Unidos.

Segundo pessoas próximas, o presidente não conversou com o presidente francês, Emmanuel Macron. Caso ele queira ajudar o Brasil, afirmam que terá de pedir para falar com Bolsonaro. Mais cedo, o titular do Meio Ambiente, Ricardo Salles, chegou a dizer que a verba seria “excelente” e “bem-vinda”. Mas cobrou autonomia do País na utilização do dinheiro.

“Quem vai decidir como usar recursos para o Brasil é o povo brasileiro e o governo brasileiro”, disse, em um evento em São Paulo. O ministro ainda cobrou de países desenvolvidos um crédito de US$ 2,5 bilhões (o equivalente a R$ 10 bilhões) que o País teria, segundo ele, de acordo com os termos do Protocolo de Kyoto. “Desde 2005, o Brasil tem cerca de 200 milhões de toneladas de gás carbônico em MDL, mecanismo de desenvolvimento limpo, para receber. Pedimos para que os países desenvolvidos, incluindo o G-7, nos ajudem a quitar a fatura.”

O anúncio de recursos para a Amazônia foi feito pela manhã, na França, por Macron e pelo presidente do Chile, Sebastián Piñera – que apesar de não integrar a cúpula agiu na condição de observador. A verba seria usada principalmente para o envio de aviões para apagar o fogo na região. Além disso, o G-7 estaria elaborando um plano de ajuda a médio prazo destinado ao reflorestamento, que seria apresentado na Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas no fim do mês que vem. Hoje, no âmbito do Acordo de Paris, o Brasil se propõe a reduzir as emissões de gás carbônico em 37% em relação a 2005, e prevê restaurar 12 milhões de hectares de florestas e alcançar desmatamento ilegal zero na Amazônia brasileira até 2030.

Soberania

A decisão do presidente francês, de trabalhar o assunto no G-7 mesmo contra a vontade do governo brasileiro, motivou desde o princípio dúvidas se não haveria um enfrentamento à soberania brasileira. “Este não é o quadro da iniciativa que estamos tomando, mas é uma questão real que se impõe, se um Estado soberano tomar medidas concretas que obviamente se opõem ao interesse de todo o planeta”, disse Macron. “As conversas entre (Sebastián) Piñera (presidente do Chile) e Bolsonaro não vão nessa direção, acho que ele está ciente desse assunto”. “Em qualquer caso, quero viver com essa esperança.”

Há dúvidas sobre qual seria o grau de interferência sugerido. Em francês, a palavra “statut” é utilizada tanto para definir status como estatuto (no caso uma regulamentação). A questão também não é nova: em 1983, a premiê britânica Margaret Thatcher sugeriu que “os países subdesenvolvidos que não pudessem pagar suas dívidas vendessem seus territórios”. Já o ex-presidente Francês François Miterrand sugeriu que o Brasil admitisse “soberania relativa” sobre a área. Em 2000, o americano Al Gore, famoso pela ação ambientalista, chegou a dizer que a Amazônia “pertence a todos”.

Macron se limitou a dizer agora que essa intervenção internacional “é um caminho que permanece aberto e continuará a florescer nos próximos meses e anos”. “A questão é tal no plano climático que não podemos dizer ‘este é um problema só meu’. É o mesmo para aqueles que têm espaços glaciais em seu território ou que afetam o mundo inteiro.”

Ele garantiu, no entanto, que construiu a iniciativa que será proposta às Nações Unidas “para respeitar a soberania de cada país”.

A fala do francês veio após o presidente Bolsonaro acusá-lo de ter uma “mentalidade colonialista” por exigir ação internacional a respeito da região. À noite, o porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, rebateu as declarações. “Sobre a Amazônia falam brasileiros e as Forças Armadas.”

Nos bastidores, o governo brasileiro se mantém em oposição ao francês e tenta impedir que Macron ganhe algum lucro político com o episódio. A avaliação é de que Macron fracassou na reunião de países do G-7 ao tentar responsabilizar Bolsonaro pelas queimadas na região amazônica e discutir o tema sem a presença dos principais atores envolvidos. Um dos sinais disso é a declaração final do encontro, que não incluiu a Amazônia, mostrando que não houve consenso sobre o tema entre os líderes de Estados Unidos, França, Reino Unido, Alemanha, Japão, Itália e Canadá.

No Twitter, o assessor especial da Presidência para assuntos internacionais, Filipe Martins, disse que “o bom senso e o respeito à soberania brasileira prevaleceram”. Mais cedo, Bolsonaro voltou a questionar o interesse de alguns países por trás do apoio ao Brasil. “Será que alguém ajuda alguém, a não ser uma pessoa pobre, sem retorno? O que ele está de olho na Amazônia?”, indagou Bolsonaro em conversa com jornalistas, no Palácio da Alvorada.

Nesta quarta-feira, 28, o presidente prometeu fazer uma gravação online da reunião que terá com governadores da região amazônica para contar “a verdade sobre o que os outros querem com essa rica região”. Ele fez o anúncio ao compartilhar a notícia de que Macron afirmou que espera que os brasileiros “tenham logo um presidente à altura do cargo”. Um interlocutor de Bolsonaro diz que ele tentará mostrar amanhã que o presidente francês está “descolado da realidade” e “não faz ideia do que é a Amazônia”.

Outras doações

O governo brasileiro não se pronunciou sobre outras promessas de verbas. Houve anúncios pontuais de envio de recursos para o combate às queimadas. O presidente do grupo francês LVMH, Davide Marcovitch, afirmou que o conglomerado doará cerca de R$ 50 milhões para isso.

Trata-se de praticamente o mesmo valor prometido pelo primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson. Há ainda iniciativas particulares, como a da fundação do ator Leonardo DiCaprio, que prometeu um aporte de cerca de R$ 21 milhões, e da Apple, que ainda não divulgou valores.


VEJA TAMBÉM:

 Andrés critica trabalho de Raí no São Paulo: 'Ficou telefonando para a CBF para substituir o Edu Gaspar'

Chá da Vida
Anunciar Na Internet
Fazer Compra No AliExpress
Como Ganhar Dinheiro Na Internet
Curso de Cutícula Perfeita com Faby Cardoso
Miss perde título após tirar sarro de entregador de comida
Ex-panicat se torna especialista em finanças e fica milionária
Curso Segredos Do Bitcoin 2.0. Além de conseguir Bitcoin (BTC) comprando com dinheiro em sites de câmbio ou utilizando o computador para minerar Inscreva- se Agora .

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Psiu! Ficou com alguma dúvida? Deixe um comentário abaixo para eu te ajudar! OBS: Está proibido falar palavrão, xingar ou agredir verbalmente nos comentários.



...

Ads

Point-Mini-Chip
Point Mini
USE nosso cupom e ganhe R$ 60 de desconto para comprar a sua maquininha e começar a vender. Tá esperando o que?
R$ 58,80
As taxas e prazos de recebimento das maquininhas devem ser vistas diretamente com o parceiro Mais informações .
Point-Pro
Point Pro
USE nosso cupom e ganhe R$ 420 de desconto para comprar a sua maquininha e começar a vender. Tá esperando o que?
R$ 298,80
As taxas e prazos de recebimento das maquininhas devem ser vistas diretamente com o parceiro Mais informações .